terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

LIÇÃO 8 - FILIPE, UM OBREIRO VERSÁTIL

Igreja Evangélica Assembléia de Deus
Av. Brasil, 740 – Juiz de Fora - MG
Elaboração da Aula para os Professores da Escola Dominical
Revista: Atos dos Apóstolos
Prof. Evangelista Márcio do Livramento Leão – Congregação de Benfica

O termo versátil possui dois significados:

·  Vário (instável) ou volúvel (inconstante, sem opinião).
·  Que tem qualidades várias num determinado ramo de atividades.

Nesse caso, preferimos adotar o segundo significado para o título acima, em consonância com a proposta do comentarista da revista.

Texto Áureo: At 8.35

Ver Lc 24.27 (Começando por Moisés e por todos os profetas, Jesus explicou aos dois discípulos no caminho de Emaús, o plano de Deus através das Escrituras).
Ver At 18.28 (muitos dos cristãos em Corinto eram gentios e oponentes fáceis de serem vencidos por quem conhece a fundo as Escrituras hebraicas. No entanto, os argumentos desses judeus eram facilmente refutados por Apolo, um judeu cristão que era eloqüente e poderoso na Palavra, At. 18.24).

Verdade Aplicada

As qualidades de um obreiro que edificam a igreja, citadas pelo autor, certamente são os dons que são dados por Deus aos crentes:

1 Co 14.12: "Assim também vós, como desejais dons espirituais, procurai abundar neles, para edificação da igreja".

1 Co 1.7: "De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo".

Tg 1.17: "Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação".

1 Pe 4.10: "Cada um administre aos outros o dom como o recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus".

Objetivos da Lição

No terceiro objetivo temos de observar que a evangelização é uma das várias formas de demonstrarmos nosso amor por Jesus. Dentre outras, devemos compartilhar dos sofrimentos de Cristo:

2 Co 4.11: "E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na nossa carne mortal".

Glossário

Dentre as palavras apresentadas, poderíamos complementar com:

Candace: Título que quer dizer “rainha”, assim como “faraó” quer dizer “rei” (At 8.27).
Eunuco: Homem castrado que servia de guarda das mulheres do seu dono (Et 2.3). Eram também chamados de eunucos alguns altos funcionários de confiança dos reis, quer esses funcionários fossem castrados ou não (At 8.27).
Gentio: O que não é israelita (Is 42.1,6).
Prosélito: Gentio que segue a religião judaica (Mt 23.15; At 13.43).
Samaritano: Pessoa nascida em SAMARIA (Região central da Terra Santa, abrangendo as tribos de Efraim e Manassés do Oeste. Ao norte ficava a Galiléia; a leste, o Jordão; ao sul, a Judéia; e, a oeste, o Mediterrâneo - 2 Rs 17.24-26; At 1.8). Israelitas e samaritanos não se davam por causa de diferenças de raça, religião e costumes (2 Rs 17.29; Jo 4.9).

Texto de Referência

A versão apresentada é a Almeida Revista e Corrigida (ARC).

Introdução

Judeu Helênico: Judeu que falava grego, nascidos ou criados fora da terra de Israel (At 6.1, RC; RA, helenista).
Eusébio de Cesaréia: Bispo de Cesaréia, nasceu em cerca de 270, fale­ceu no ano 339/340. Não se sabe onde nasceu, mas passou a maior e mais impor­tante parte de sua vida em Cesaréia, na época a maior cidade romana da Palestina. Era de família desconhecida mas certa­mente cristã, como indica seu nome.
Curiosamente, Eusébio também cita que Filipe, o apóstolo, juntamente com suas filhas, foi sepultado na mesma cidade em que o evangelista, conforme transcrito abaixo:

"Porque também na Ásia repousam grandes luminares que ressuscitarão no último dia da vinda do Senhor, quando virá dos céus com glória em busca de todos os santos: Filipe, um dos doze apóstolos, que repou­sa em Hierápolis com duas filhas suas que chegaram virgens à velhice, e a outra filha, que depois de viver no Espírito Santo, descansa em Éfeso...”.

A cidade antiga de Hierápolis, localizada na muçulmana Turquia, ainda existe e é "colada" à Pamukkale, ambas são tombadas como Patrimônio Histórico Mundial pela Unesco. Hierápolis está situada a 376 metros de altura, no alto de uma colina com uma bela vista da região.

1. Filipe em Jerusalém

Gregos (ou "helenistas") eram judeus de fala grega, principalmente das terras da Dispersão (nomes dados ao conjunto dos judeus que viviam em vários países, fora da Terra Santa, eram mais numerosos do que a população que vivia em Israel). Tiago os cita em sua carta (Tg. 1.1); os hebreus eram judeus de fala aramaica, muitos dos quais, como os apóstolos, eram naturais da Palestina.

1.1 Indicado para ser um dos sete

Não podemos especular nada acerca desses sete homens, excetuan­do-se Estevão, o qual vemos registrado como um homem cheio de fé e do Espírito Santo (At. 6.5). A fé que Estevão possuía não era diferente em essência da fé comum a todos os crentes, porém era excepcional como esse homem estava disposto a confiar em Cristo, crer com simplicidade em Sua palavra, e arriscar tudo por amor de Seu Senhor, como bem estudamos na lição 7. Segundo Antônio Gilberto (BEP), a separação desses sete homens importava, principalmente, em duas coisas: 1) era testemunho público da igreja que esses homens tinham antecedentes de perseverança na piedade e na obediênca à direção do Espírito Santo (1 Tm. 3.1-10); 2) era um ato de separação daqueles homens à obra de Deus e um testemunho da sua disposição em aceitar a responsabilidade da chamada divina.

1.2 Suas virtudes precederam a sua escolha

Imposição de mãos. No NT a imposição de mãos era usada de cinco maneiras:
1) em relação a milagres de curas (At 28.8; Mt 9.18; Mc 5.23; Mc 6.5); 2) ao abençoar outras pessoas (Mt 19.13-15); 3) em relação ao batismo no Espírito Santo (At 8.17-19; At 19.6); 4) na comissão para uma obra específica (At 6.6; At 13.3); e  5) na concessão de dons espirituais através dos presbíteros (1 Tm 4.14). Como um dos meios através do qual Deus transmite dons e bênçãos às pessoas, a imposição de mãos veio a ser uma doutrina fundamental na igreja primitiva (Hb 6.2). Não pode ser dissociada da oração (At 6.6), pois a oração indica que os dons da graça, cura ou batismo no Espírito Santo procede de Deus e não do ser humano.

1.3 Tinha iniciativa para falar de Jesus

Mais do que oposição, que se resume em contrariedade, obstáculo; o que se sucedia era uma grande perseguição dos crentes em Jerusalém. Todavia, havia um propósito permissivo divino que se constituía na pregação da palavra na Judéia, Samaria e até os confins da terra. A perseguição faz parte daquele que quer viver piamente na Palavra de Deus. Mt 5.10; At.8.1; Rm. 8.35; 2 Tm. 3.12.

2.  Filipe em Samaria

At 1.8: "Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra".

        Pela referência bíblica destacada, melhor seria postar o comentário obedecendo à seqüência dada acima.

2.1 Evangelista de multidões

Quem está em Cristo Jesus tem confiança e ousadia para propagar o evangelho da salvação.  At 4.13; 4.29; 4.31; 2 Co 3.12; Ef 3.12.
Os samaritanos ocupavam a região central da Palestina, entre a Judéia e a Galiléia. Eram descendentes dos povos orientais importados pelos assírios (II RS 17.24-29) depois da destruição do reino israelita do norte (722 a.C.), que se misturaram com os nativos israelitas. A quase dez anos, um estudo produzido pela comunidade samaritana estima o seu número em quase 700 pessoas, das quais metade vive em Israel e outra em Nablus na Cisjordânia.

2.2 Poderoso em sinais (quem era poderoso...?) - 1 Pe 4.11; 5.11; Jd 1.25; Ap 5.13.

Filipe enfrentou uma batalha espiritual, cuja vitória só é possível usando os recursos de Deus e as armaduras celestiais. Ef 6.12; Rm 8.38; Sl 140.7.
No final desse tópico a referência bíblica estaria incorreta, quando o certo seria: At. 8.7-8.

2.3 Continuou submisso a Jerusalém

Por entendermos ser crítico o conteúdo do tópico apresentado pelo comentarista, sugerimos o que se segue: De Jerusalém, quando os apóstolos tomaram conhecimento do que acontecera em Samaria, por meio de Filipe, enviaram Pedro e João, os quais chegaram e oraram com imposição de mãos para que os salvos fossem batizados com o Espírito Santo (ver At 8.14-17). Com seu exemplo evangelizador influenciou aos próprios apóstolos a anunciarem o evangelho em muitas aldeias dos samaritanos ao voltarem para Jerusalém (ver At 8.25).  Essa última referência estaria errada no texto apresentado na revista.
Com relação a questão do batismo em At 8.12,13 está descrito que aqueles que criam eram batizados. O batismo que eles ainda não haviam recebido era o batismo no Espírito Santo conforme está descrito em At 8.15-17.

3.  Filipe em Gaza

A província de Samaria, nos tempos do N.T, estava situada entre a Judéia e a Galiléia (Lc. 17.11). Foi atravessada por Jesus Cristo (Jo 4.4-43), e recebeu a luz do Evangelho (At. 8.5-25). A distância entre Samaria e Jerusalém era de aproximadamente 60 km.

3.1 Um anjo manda Filipe para Gaza (At 8.26-29)

Seria “um” ou “o” anjo do Senhor?  Vejamos as diferentes traduções:

ARA: 8.26: Um anjo do Senhor falou a Filipe...dizendo: Dispõe-te e vai para o lado do Sul, no caminho...”
ARC: 8.26: “E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te e vai para a banda do Sul, ao caminho...”
NTLH: 8.26: Um anjo do Senhor disse a Filipe: — Apronte-se e vá para o Sul, pelo caminho que...”
ACF: 8.26: “E o anjo do SENHOR falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do sul, ao caminho...”

Segundo a Bíblia de Estudos Pentecostal, na página 386, no contexto do livro de Jz cap. 2, o autor da edição brasileira, o mestre Antônio Gilberto, apresenta um proveitoso estudo sobre Os Anjos, e O Anjo do Senhor, conforme parcialmente transcrevemos abaixo:

·   Anjos. A palavra "anjo" (hb. malak; gr. angelos) significa "mensageiro". Os anjos são men­sageiros ou servidores celestiais de Deus (Hb 1.13,14), criados por Deus antes de existir a terra (Jó 38.4-7; SI 148.2,5; CI 1.16).
·   Os anjos executam numerosas atividades na terra, cumprindo ordens de Deus. Desempe­nharam uma elevada missão ao revelarem a lei de Deus a Moisés (At 7.38; Gl 3.l9; Hb 2.2). Seus deveres relacionam-se principalmente com a obra redentora de Cristo (Mt 1.20,24; 2.13; 28.2; At 1.10; Ap 14.6,7). Regozijam-se por um só pecador que se arrepende (Lc 15.10), servem em prol do povo de Deus (Dn 3.25; 6.22; Mt 18.10; Hb 1.14), observam o comportamento da congregação dos cristãos (1 Co 11.10; Ef 3.10; 1 Tm 5.21), são portadores de mensagens de. Deus (Zc 1.14-17; At 10.1-8; 27.23,24), trazem respostas às orações (Dn 9.21-23; At 10.4); às vezes, ajudam a interpretar sonhos e visões proféticas (Dn 7.15,16); fortalecem o povo de Deus nas provações (Mt 4.11; Lc 22.43), protegem os santos que temem a Deus e se afastam do mal (SI 34.7; 91.11; Dn 6.22; At 12.7-10), castigam os inimigos de Deus (2 Rs 19.35; At 12.23; Ap 14.17-16.21), lutam contra as forças demoníacas (Ap 12.7-9) e conduzem os salvos ao céu (Lc 16.22).
·   O Anjo do SENHOR realizou várias tarefas semelhantes às dos anjos, em geral. Às vezes, simplesmente trazia mensagens do Senhor ao seu povo (Gn 22.15-18; 31.11-13; Mt 1.20). Noutras ocasiões, Deus enviava o seu anjo para suprir as necessidades dos seus (1 Rs 19.5-7), para protegê-los do perigo (Êx 14.19; 23.20; Dn 6.22) e, ocasionalmente, destruir os seus inimigos (Ex 23.23; 2 Rs 19.34,35; Is 63.9). Quando o próprio povo de Deus rebelava-se e pecava grandemente, este Anjo podia ser usado para destruí-los (2 Sm 24.16,17). A identidade do Anjo do Senhor tem sido debatida, especialmente pelo modo como ele freqüentemente se dirige às pessoas. Note os seguintes fatos: (a) em Jz 2.1, “O Anjo do Senhor diz: Do Egito Eu vos fiz subir, e Eu vos trouxe à terra que a vossos pais Eu tinha jurado, e Eu disse: Eu nunca invalidarei o meu concerto convosco”. Comparada esta passagem com outras que descrevem o mesmo evento, verifica-se que eram atos do Senhor, o Deus do concerto dos israelitas. Foi Ele quem jurou a Abraão, a Isaque e a Jacó que daria aos seus descendentes a terra de Canaã (Gn 13.14-17; 17.8; 26.2-4; 28.13); Ele jurou que esse concerto seria eterno (Gn 17.7), Ele tirou os israelitas do Egito (Êx 20.1,2) e Ele os levou à terra prometida (Js 1.1,2). (b) Quando o Anjo do Senhor apareceu a Josué, este se prostrou e o adorou (Js 5.14). Essa atitude tem levado muitos a crer que esse Anjo era uma manifestação do próprio Senhor Deus; do contrário, o Anjo teria proibido Josué de adorá-lo (Ap 19.10; 22.8,9). (c) Ainda mais explicitamente, o Anjo do Senhor que apareceu a Moisés na sarça ardente disse, em linguagem bem clara: "Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó" (Êx 3.6; ver Gn 16.7 nota; Êx 3.2 nota). Segundo Antônio Gilberto, o Anjo do Senhor está tão estreitamente identificado com o próprio Senhor, e por­que Ele apareceu em forma humana, alguns consideram que era uma aparição do Cristo eterno, a segunda pessoa da Trindade, antes de nascer da virgem Maria.

3.2 Filipe mostra Cristo através das Escrituras (At 8.32-34 inclua-se o vers. 35)

Os Judeus do primeiro século não falavam muito a respeito do Messias sofredor. Eles acreditavam e ensinavam que o sofrimento anunciado por Isaías era uma referência ao sofrimento da nação de Israel diante do domínio estrangeiro. É provável que o etíope tenha ouvido apenas esse ensinamento quando esteve em Jerusalém, porém tinha algumas dúvidas a esse respeito. No entanto, Filipe mostrou-lhe que o servo sofredor era JESUS. Ele teve de sofrer na cruz por causa dos pecados de toda a humanidade (Hb 12.2; Jo 3.16).

3.3 Filipe batiza o Eunuco (At 8.38)

Candace, rainha dos etíopes: Candace possivemente, de acordo com historiadores (Strabo, Geógrafo e historiador grego, 50 a.C.; e Plínio, primeiro século, História Natural) não era nome próprio, mas o título das governadoras do reino (conforme "Faraó").
Outro fato importante é que o carro parou e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco (vers. 38), caracterizando o batismo por imersão. Na Bíblia encontramos outros argumentos fortes defendendo esse tipo de batismo, como nos seguintes casos: Mt 3.16, onde diz que Jesus "batizado, saiu logo da água", aqui nota-se que Ele havia entrado na água. Ainda nessa linha de raciocínio, encontramos em Jo 3.23: "porque havia ali muitas águas". Logicamente, caso se estivesse apenas borrifando ou derramando água para realizar o batismo, porque haveria de existir em bastante quantidade? Paulo compara o batismo a um sepultamento (Cl 2.12, Rm 6.3-6). Não sepultamos um corpo jogando apenas uma pá de terra sobre ele nem tentaríamos sepultar o velho homem do pecado simplesmente com umas poucas gotas de água. A imersão está no plano de Deus para o batismo do crente.

O batismo nas águas salva? Vejamos o que diz o comentarista da Bíblia de Estudo Pentecostal, na nota da passagem bíblica, a seguir, transcrita:

1 Pe 3.21: "Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, o batismo, não do despojamento da imundícia da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, pela ressurreição de Jesus Cristo".

Como uma verdadeira figura vos salva, o batismo. O batismo em água tem a ver com a salvação, considerado como uma fiel expressão do nosso arrependimento, da nossa fé em Cristo e do nosso compromisso de deixar o mundo. Ele fala da nossa confissão e promessa de que pertencemos a Cristo e morremos e ressuscitamos com Ele (At 2.38,39; Rm 6.3-5; 10.9,10; Gl 3.27; CI 2.12). Note a comparação com o dilúvio (1 Pe 3.20): assim como a obediência de Noé às instruções de Deus, no tocante ao dilúvio, foi um testemunho da sua fé antes do dilúvio, assim também o passar pelas águas do batismo é um testemunho alusivo à nossa fé, como meio de salvação em Cristo; fé esta que tínhamos antes de sermos batizados.   
       
4.  Filipe, um obreiro exemplar

At 21.9. Vemos aqui o cumprimento do que Pedro disse em seu discurso em At 2.17, que os filhos e jovens receberiam a promessa do derramamento do Espírito Santo para profetizar, dentre outras maravilhas. Nesse tópico, Paulo passaria em Cesaréia (At 21.8), onde seria recebido por Filipe, em sua terceira viagem missionária.

4.1 Buscava fazer o melhor para Deus

A execução de Estêvão foi o sinal para uma campanha mais decisiva de repressão. A grande comunidade de crentes de Jerusalém foi dispersa por toda a Palestina e até às suas fronteiras. Entretanto, a dispersão causou mais bem do que mal à causa; os que desse modo foram espalhados levaram consigo as boas novas e a disseminaram por toda parte. Filipe, um dos sete, partiu de Jerusalém para Samaria, cuja população semijudaica passou ele a evangelizar. Até então o evangelho fora anunciado só a judeus.
A corrente majoritária dos estudiosos da Bíblia afirma ser Cornélio o primeiro gentio a converter-se ao cristianismo. Todavia, ao observarmos o que se passou em At 8.37-38, verificamos a potencial aceitação da doutrina de Cristo por parte do eunuco (Etíope), através de Filipe. Não se pode afirmar que o eunuco era seguramente gentio. Pode ser que fosse um descendente de judeu que nascera fora da região da Palestina. Os indícios quanto a isto está no fato dele regressar de Jerusalém para onde tinha ido para a adoração, e além disto ele tinha em suas mãos o livro do profeta Isaías, o que indica sua familiaridade com as Escrituras.

4.2 Era um homem sensível a voz do Espírito

Nunca devemos repelir, ignorar ou rejeitar o Espírito Santo. Se lembrarmos que aquele que habita em nós é o próprio Espírito de Deus, seremos muito mais seletivos quanto ao que pensamos, lemos, vemos, dizemos e fazemos (Rm. 8.9; 1 Co 6.19; 2 Tm 1.14).

4.3 Era homem de aliança

“Arraial” quer dizer acampamento (Ex 16.13), e não seria um termo ideal a tratar aqui, melhor seria dizer “convívio”. Os infiéis da verdade de Deus, corruptos de entendimento, devem ser privados da convivência com os salvos (1 Tm. 6.6), até que verdadeiramente sejam atingidos e libertos pela verdadeira conversão (Jo 8.32 e 35). Lembremos que a nossa luta não é contra a carne, nem contra o sangue (Ef 6.12).

Conclusão

Uma unção especial. Seria essa uma unção diferenciada?

O crente recebeu uma unção da parte de Cristo, a saber; o Espírito Santo (2 Co 1.21-22), a unção que nos dá conhecimento e verdade (1 Jo 2.20; 1 Jo 2.27). É um equívoco do comentarista, visto que andamos num mesmo Espírito (1 Co 6.17; 2 Co 4.13; 12.18 e Fp 1.27) e fazemos parte de um povo, agora sim, especial (Dt 7.6 e Tt 2.14).

5 comentários:

Anônimo disse...

Irmã Magda, gostei e quero perguntar conhece o site www.ebdareiabranca.com que ajuda os professores da Betel.

Magda disse...

Prezado Anônimo,

Não conheço este site, mas diante da sua informação poderei me inteirar do mesmo. Grata pela sua participação. Deus continue lhe abençoando.

Pastor Guedes disse...

Prezada Irmã Magda,

A Paz do Senhor!

Vim agradecer sua preciosa participação em meu blog comentando sobre a doutrina unicista da igreja em questão e do apóstolo fundador da mesma.

Parabéns pelo seu blog. Gostei e tornei-me seu seguidor.

Deus lhe abençoe e dê Graça para continuar firme em seus propósitos.

Abraço.

Magda disse...

Prezado Pr Guedes,

Já algum tempo tenho acompanhado as postagens que o senhor escreve, e louvo a Deus pela sabedoria que ele lhe tem concedido. Obrigado por sua honrosa participação em meu blog. Deus continue lhe abençoando, sempre.

Teixeira disse...

Parabéns!
Gostei muito do conteúdo, me auxiliou poderosamente no entendimento da lição!